* { box-sizing: border-box; } body {margin: 0;}.text{padding:10px;text-align:justify;font-size:16px;font-family:Barlow, sans-serif;padding-top:10px;padding-right:10px;padding-bottom:10px;padding-left:10px;}.text *{text-align:justify;font-size:16px;font-family:Barlow, sans-serif;line-height:26px;}b{font-weight:bold;}i{font-style:italic;}* ::-webkit-scrollbar-thumb{background-color:rgb(55, 71, 79) !important;}#wrapper{min-height:783px !important;}.boletim{min-height:783px !important;}.bolletin-container__edit-content__preview{min-height:783px !important;}#wrapper .boletim-content{min-height:783px !important;padding-bottom:50px;}#wrapper .boletim-content--page{min-height:783px !important;padding-bottom:50px;}*{box-sizing:border-box;}body{margin-top:0px;margin-right:0px;margin-bottom:0px;margin-left:0px;}#i6hc{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;font-size:13.3333px;color:rgb(102, 102, 102);font-style:normal;font-variant-ligatures:normal;font-variant-caps:normal;font-weight:400;text-align:start;}#izk5v{width:450px;}#rg204233{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;font-size:10pt;color:rgb(102, 102, 102);}#imd4f{padding-top:10px;padding-right:10px;padding-left:10px;width:430px;}#itkrm{color:rgb(0, 0, 0);font-family:Arial, Helvetica;font-size:10pt;}#ilvig{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;color:rgb(102, 102, 102);}#idoml{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;color:rgb(102, 102, 102);}#iyrzk{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;color:rgb(102, 102, 102);}#iw1kl{width:450px;}#ilzvv{display:block;}#rg203738{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;font-size:13.3333px;color:rgb(102, 102, 102);font-style:normal;font-variant-ligatures:normal;font-variant-caps:normal;font-weight:400;text-align:start;}#ipw9l{padding-top:15px;padding-right:15px;padding-left:15px;width:920px;}#izi0w{font-family:Arial, Helvetica;font-size:10pt;}#iy1lm{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ip0hi{color:rgb(20, 73, 113);font-family:Arial, Helvetica;font-size:11pt;font-weight:bold;}#idu71{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#idtzc{color:rgb(20, 73, 113);font-family:Arial, Helvetica;font-size:11pt;font-weight:bold;}#i6ool{color:rgb(20, 73, 113);font-family:Arial, Helvetica;font-size:11pt;font-weight:bold;}#iu1q7{color:rgb(102, 102, 102);background-color:rgb(225, 225, 225);border-top-width:0px;border-right-width:0px;border-bottom-width:0px;border-left-width:0px;border-top-style:initial;border-right-style:initial;border-bottom-style:initial;border-left-style:initial;border-top-color:initial;border-right-color:initial;border-bottom-color:initial;border-left-color:initial;border-image-source:initial;border-image-slice:initial;border-image-width:initial;border-image-outset:initial;border-image-repeat:initial;height:1px;}#is7s1{padding-top:15px;padding-right:15px;padding-left:15px;width:920px;}#icbdh{font-family:Arial, Helvetica;font-size:10pt;}#iyhhy{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iccm6{background-color:rgb(148, 148, 148);}#is8fi{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ijj6l{background-color:rgb(148, 148, 148);}#irsex{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#isx4d{background-color:rgb(148, 148, 148);}#ic4pw{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ie52f{background-color:rgb(148, 148, 148);}#i1nl3{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ifjxw{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#inab3{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ih5gv{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#idvue{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ifx9s{color:blue;}#izitw{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ihhbt{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iax26{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iyvdn{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iy5f7{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ipajz{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ivl87{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#i374j{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iqzd6{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#i8g7j{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#il4fz{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ifhhp{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#icbkny{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#irtac1{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#it7svk{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iflyc9{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#icgwll{color:blue;}#idl8yv{padding-top:15px;padding-right:15px;padding-left:15px;width:920px;}#ilkuhr{font-family:Arial, Helvetica;font-size:10pt;}#i30lum{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#i5v3po{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iv7f8i{background-color:rgb(148, 148, 148);}#i14nl9{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iqjko3{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ifsdga{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#im7rlm{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#in8rpg{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ijrq9r{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ia6fkg{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ipnsgx{color:blue;}#ixv8qh{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#irxxuq{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#irkrhm{background-color:rgb(225, 225, 225);border-top-width:0px;border-right-width:0px;border-bottom-width:0px;border-left-width:0px;border-top-style:initial;border-right-style:initial;border-bottom-style:initial;border-left-style:initial;border-top-color:initial;border-right-color:initial;border-bottom-color:initial;border-left-color:initial;border-image-source:initial;border-image-slice:initial;border-image-width:initial;border-image-outset:initial;border-image-repeat:initial;height:1px;}#iwl14z{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iinv5j{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ihbnlq{background-color:rgb(148, 148, 148);}#iop59j{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#i3ek6v{background-color:rgb(148, 148, 148);}#i7zaih{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#i95bc3{background-color:rgb(148, 148, 148);}#icudks{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iktts5{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#iybugf{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ivajoa{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ik6ckt{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#it7iyi{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ijhuvu{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ikooq4{font-family:Arial, Helvetica, sans-serif;margin-top:5px;margin-bottom:5px;font-size:10pt;}#ik4jzs{display:block;margin:auto;}

Video - DW Brasil


Como identificar notícias falsas sobre o coronavírus


A crise do coronavírus tem se mostrado um campo frutífero para fake news e conselhos errados de saúde. Mas como detectar e distinguir desinformação de informação? A DW conversou com uma especialista em verificação de fatos e uma ex-analista da CIA

Clique aqui para ver o vídeo..

3. Fake News: não caia nessa!


Estudo do CEE-Fiocruz aponta que informações

 corretas sobre a pandemia superam fake news

nas mídias sociais

Usuários de mídias sociais têm elevado conhecimento sobre a Covid-19, e a difusão massiva de informação por esses canais e por autoridades sanitárias supera a propagação de fake news e a narrativa de negação do risco da pandemia no país. Por outro lado, temem não conseguir atendimento, seja na rede pública, seja na rede privada, caso fiquem doentes. Esses são alguns dos resultados do inquérito realizado pelo Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz (CEE-Fiocruz), que buscou identificar a percepção da população atuante nas mídias sociais sobre as medidas de enfrentamento à pandemia da Covid-19 no país.

O inquérito foi realizado por meio de questionário online, apropriado a dispositivos móveis, compartilhado nas redes sociais, no dia 7 de abril de 2020, obtendo como retorno de 147.447 respondentes. “As pessoas se organizam em redes de afinidade, nas quais compartilham interesses e opiniões com outras, mesmo não sendo necessariamente conhecidas. Dessa forma, formadores dessas redes acabam por ser também formadores de opinião”, explicam os autores – Nilson do Rosário Costa (Ensp/fiocruz), Alessandro Jatobá e Hugo Bellas (CEE-Fiocruz), e Paulo Victor Rodrigues de Carvalho (UFRJ). “As redes sociais tornam-se fonte dados de baixo custo e rápido retorno, na medida em que reúnem diferentes indivíduos e suas conexões em um espaço em que estes se expressam de maneira livre e autônoma”, observam, ainda.

Participaram respondentes de todos os níveis de escolaridade, prevalecendo os de nível superior (82%). Na medida em que a distribuição se inicia a partir das redes sociais de respondentes localizados no Rio de Janeiro, a participação concentrou-se majoritariamente nesta região (36%). Houve, de qualquer forma, alta frequência de respondentes em todos os estados da federação, o que permite, segundo os autores, a extrapolação dos aspectos analisados para as demais regiões.

O questionário aplicado reuniu dois grupos de perguntas: um destinado a caracterizar o perfil do participante e outro contendo assertivas a respeito de ações de combate à pandemia da Covid-19, com duas opções de resposta – concordo e discordo.

Acesse o relatório completo.

Principais resultados

• Afirmações polêmicas e fake news

Com relação a afirmações polêmicas e fake news relativas ao isolamento social, 99% das respostas assinalaram discordância da afirmativa de que o “coronavírus causa doença nos ricos, não atingindo a população pobre”; 94% discordaram da frase “não tenho medo de pegar a doença, é só uma gripe”; e 94% discordaram da afirmativa “não sei como me prevenir contra a pandemia da Covid-19”.

Os resultados apontam que a maioria dos respondentes tem clareza de que a doença pode atingir a população de forma indiscriminada, não preservando qualquer segmento da população. Da mesma forma, nove em cada dez respondentes têm noção da gravidade da doença, não a interpretando como apenas uma gripe comum, e têm as informações necessárias para adotar as medidas para à prevenção da doença.

 

• Diretrizes de isolamento social

A aderência às diretrizes do isolamento social e às informações científicas e oficiais mostrou-se também elevada: 92% discordam da ideia de volta às atividades, aceitando como normais às mortes causadas pela pandemia; 88% discordam da opção de desobediência ao social, mesmo que amigos e familiares aceitem e aprovem; 92% indicam só confiar na opinião dos profissionais e das autoridades de saúde sobre a epidemia da Covid-19.

Mais de nove em cada dez respondentes mostram não aceitar o retorno às atividades normais e saber que a consequência pode ser a morte de pessoas idosas.

Nove em cada dez apontaram completa confiança nas informações de fontes profissionais e autoridades da área de saúde, indicando que a influência das fake news e do negacionismo sobre a classe média brasileira ainda é residual quando o tema é a pandemia. Como analisam os autores, a alta rejeição a informações negacionistas observada enfraquece a tese de que a mídia social é espaço unidirecional de disseminação de mentiras e ruídos pela incapacidade dos atores tradicionais (Estado, especialistas e mídia tradicional) de controlar o fluxo das informações para leigos.

 

• Seguridade, emprego e renda

Do ponto de vista da seguridade social, os resultados mostram situação de insegurança social surpreendente, destacam os autores, expressando o impacto causado pela crise no mercado de trabalho, pela baixa cobertura do sistema de proteção social e pela fragmentação do sistema de saúde que caracterizam o cenário atual do país. Nesse sentido, consideram compreensível que um quarto dos respondentes informe ter medo de perder o emprego na situação de isolamento social e 28% assinalem que e precisarão de ajuda dos programas de renda básica governamentais neste momento.

A expectativa dos respondentes em relação às medidas de transferência de renda mostrou-se o dobro entre os que informam condição de desemprego (40% do total), contra 20% que informaram ter vínculo empregatício no momento da pesquisa.

Chama atenção também que, embora 76% dos respondentes tenham informado possuir plano de saúde, somente 27% acreditam que conseguirão atendimento de forma fácil, caso venham a apresentar os sintomas da Covid-19. Já entre os respondentes dependentes do SUS que informam expectativa de difícil acesso a assistência médica a proporção é de oito em cada dez informantes.

A condição de insegurança em relação ao acesso à assistência médico-hospitalar mostrou-se muito alta, tanto na população que depende do Sistema Único de Saúde quanto na população com planos privados de assistência à saúde. Essa percepção de insegurança indica que o acesso ao atendimento médico-hospitalar e o impacto da pandemia associados são os pontos mais críticos da condução do isolamento social no país.

Fonte: Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz
Pesquisa: As Medidas de Enfrentamento à Pandemia da Covid-19 no Brasil na Percepção da População Atuante nas Mídias Sociais

 De olho nas fake news 

 

É fundamental que estejamos bem informados sobre o andamento da pandemia, os riscos a que estamos submetidos e as ações que devem ser tomadas em caso de suspeita de contaminação. Nessa hora, somente fontes formais (órgão oficiais, profissionais da saúde, veículos de imprensa) devem ser consultadas. Diante disso, selecionamos algumas notícias que andam circulando pelas redes sociais e averiguamos o que é verdade e o que é mentira. Confira:

“Água quente é capaz de matar o vírus” (falso)
Essa mensagem esta sendo circulando nas redes sociais e traz a orientação de um suposto profissional da saúde para que se beba água quente (entre 26ºC e 27ºC) para matar o coronavírus. O Ministério da Saúde salienta que a temperatura do corpo é de ao menos 36ºC, portanto, ingerir líquidos nas temperaturas sugeridas não faria qualquer diferença. E ressalta: não há medicamento, substância, vitamina ou alimento específico capaz de evitar o contágio.

“Coronavírus veio dos inseticidas” (falso)
Você já deve ter visto circulando na internet: a imagem do rótulo de um inseticida, onde se lê “human coronavírus”. Não caia nessa! A imagem é totalmente fake! A comunidade científica ainda não identificou a origem do novo coronavírus, embora haja suspeitas de que ele tenha surgido pela primeira vez em vilarejos do interior da China. O Ministério da Saúde é enfático: a transmissão e a contaminação se dão por meio do contato com secreções ou pelo ar.

“Cuidado ao estourar plástico bolha, pois o ar vem da China” (falso)
Não dá para negar que o povo é criativo. Essa mensagem que circula nos grupos do WhatsApp diz que as bolhas de plástico que envolvem produtos importados da China podem estar contaminadas pelo covid-19. Segundo o Ministério da Saúde, não há qualquer evidência sugerindo a veracidade dessa informação. “Vírus geralmente não sobrevivem muito tempo fora do corpo de outros seres vivos, e o tempo de tráfego destes produtos costuma ser de muitos dias”, diz o órgão do governo.

“Vacina contra o Covid-19 foi descoberta” (falso)
Isso infelizmente não é verdade. De acordo com a OMS, a grande dificuldade em encontrar uma vacina contra o covid-19 está no fato de que o vírus está em constante mutação. No entanto, os cientistas continuam pesquisando. De acordo com a imprensa chinesa, o país asiático deu aval a pesquisadores para que iniciem testes de segurança em humanos de uma vacina experimental. Por enquanto, é só mais um teste.

“Prender a respiração por 10 segundos indica se a pessoa tem a doença” (falso)
No Brasil, essa desinformação está circulando com força total. O boato diz que se você fizer o teste caseiro de prender a respiração por 10 minutos, poderá descobrir se foi contaminado pela doença. Caso consiga prender a respiração por 10 segundos sem tossir, não está infectado. A questão é séria e fez com que o Ministério da Saúde montasse a página www.saude.gov.br/fakenews exclusivamente para o monitoramento de notícias falsas.

 

Letícia Vargas – Assessoria de Comunicação Social


 

 Ministério da Saúde cria canal

 para desmascarar as fake news

 relacionadas ao coronavírus

É como uma praga: as fake news se propagam numa velocidade muitas vezes até maior do que a contaminação pelo coronavírus. Conteúdos enganosos circulam em aplicativos, pelas redes sociais, pelo boca-a-boca, e vão desde receitas milagrosas e teorias da conspiração até boatos sobre vacinas e cura para o covid-19.

Para frear essa avalanche de desinformação, agentes de saúde, órgãos oficiais, pesquisadores e jornalistas estão trabalhando incansavelmente. O Ministério da Saúde está disponibilizando um número de WhatsApp para envio de mensagens da população. O canal é um espaço exclusivo para receber informações que se disseminam entre a população e que serão apuradas pelas áreas técnicas. Após a averiguação, o Ministério responde oficialmente se são verdade ou mentira.

Qualquer cidadão poderá enviar gratuitamente mensagens com imagens ou textos que tenha recebido nas redes sociais para confirmar se a informação procede, antes de continuar compartilhando. O número é (61) 99289-4640.

Confira, aqui, algumas informações que circulam pela internet e que já foram averiguadas pelo Ministério da Saúde que decretou: são fake news!

Aplicativo Coronavírus-SUS, do Governo do Brasil, é inseguro - É FAKE NEWS!
Governo do Brasil anuncia vacina do coronavírus - É FAKE NEWS!
China anuncia vacina para coronavírus - É FAKE NEWS!
Beber muita água e fazer gargarejo com água morna, sal e vinagre previne coronavírus - É FAKE NEWS!
Pesquisa publicada por cientistas chineses diz que coronavírus tornará a maioria dos pacientes do sexo masculino infértil - É FAKE NEWS!

Letícia Vargas – Assessoria de Comunicação Social